Extrato SECO SOLUVEL DE BETERRABA - Opções

Produto novo

Extrato Seco Solúvel de Beterraba ( Corante Vermelho Natural)

Solvente de Extração: Água

Nome Científicio  : Beta vulgaris

Família : Amaranthaceae - Parte Utilizada :  Raiz

Método de Produção : Secagem por "Spray Drying"

Excipiente : Maltodextrina

Maltodextrina é um derivado do milho, arroz, batata ou trigo, ou seja é um carboidrato  carboidrato pó branco hidrossolúvel.

Informações adicionais: não testado em animais e sem ingredientes de origem animais, para low poo e no poo,  vegano, não contém: parabenos, sulfatos, perfume artificial, corante artificial , óleo mineral e silicones.

Importante : Uso externo, formulações cosméticas(pele e cabelo), produto natural.

Validade 05/2023 

Mais detalhes

57 Itens

R$ 16,80

  • 100 gr
  • 500 gr

Ficha técnica

NCM13021999

Mais informações

Nome científico: Beta vulgaris L. 

Nome popular: Beterraba, em português; Remolacha, Betarraga e Remolacha Azucarera, em espanhol; Betterave à Sucre, Betterave Sucrière, na França; Sugar Beet e Beet, em inglês; Barbabietola Zuccherina, Bietola da Zucchero e Rapa Zuccherina, na Itália.

Família Botänica: Amaranthaceae

Parte Utilizada: Raiz.

Composição Química: Extrato padronizado em 10% de betaina e 2,5% de nitrato. Açúcares: sacarose (15-20%), frutose e glicose; Sais Minerais: potássio, sódio, cálcio, magnésio, ferro (em pequena quantidade); Vitaminas: A, B1, B2 e C; Fibras; Glutamina; Pigmentos: betanidina, colima e betaína; Substâncias Voláteis: piridina; Rafanol; Saponinas; Alcalóide: betalaína; Flavonóides: isoramnetina.

A beterraba é uma hortaliça característica das regiões de clima temperado da Europa e Norte da África. É uma das principais hortaliças cultivadas no Brasil, sendo três dos seus biótipos (beterraba açucareira, forrageira e hortícula) de significativa importância econômica. O cultivo mais comum é o Early Wonder (beterraba vermelha, hortícula ou ―de mesa‖), cujos bulbos são utilizados para alimentação humana. Em relação as formas de consumo, destaca-se o consumo in natura e para beneficiamento em indústrias produtoras de conservas, alimentos infantis, corantes, snacks e sucos funcionais. Em base úmida, a composição centesimal do bulbo da beterraba vermelha é de 11,1 g de carboidratos, 3,4 g de fibra alimentar, 2,0 g de proteínas, 0,1 g de lipídios, 3,1mg de vitamina C e 86 % umidade (TACO, 2011). A hortaliça tem sido constante objeto de estudo em função do seu alto poder antioxidante e por apresentar em sua composição importantes nutrientes para a saúde humana como vitaminas A, C e complexo B, açúcar, ferro, cobre, potássio, silício, sódio, cloro, zinco e manganês(TOLENTINO JUNIOR; ZÁRATE; VIEIRA, 2002).

Pela técnica de secagem “spray drying” é possível proteger ou isolar compostos ativos sensíveis a condições como luz, oxigênio, e degradação por radicais livres. Portanto, é considerado um método econômico e eficiente para preservação de corantes naturais. 

Aplicações : géis, emulsões em geral, shampoos, etc.

Dosagem de aplicação em cosméticos : 0,50 % a 3,00 %, como corante a partir de 0,50% já confere bons resultados .

A aplicação do extrato seco solúvel de beterraba como corante natural em cosméticos deve estar baseadas no teste de estabilidade do produto final, temperatura de processo, pH ácido e escolha da embalagem que deve compor o produto final,.

  • ACHKAR, M. T. et al. Propriedade antioxidante de compostos fenólicos: importância na dieta e conservação de alimentos. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 11, n. 2, p. 398–406, 2013.
  • ANDREO, D.; JORGE, N. Antioxidantes naturais: técnicas de extração. Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, v. 24, n. 2, p. 319–336, 2014.
  • DELGADO-VARGAS, F.; JIMÉNEZ, A. R.; PAREDES-LÓPEZ, O. Natural Pigments : Carotenoids , Anthocyanins , and Betalains - Characteristics , Biosynthesis , Processing , and Stability. Crítical Reviews in Food Science and Nutrition, v. 40, n. 3, p. 173–289, 2000.
  • FAVARO-TRINDADE, C. S.; PINHO, S. C.; ROCHA, G. A. Revisão: Microencapsulação de Ingredientes Alimentícios. Brazilian Journal of Food Technology, v.11, p.103-112, 2008.
  • MELO, D. A. et al. Capacidade antioxidante de hortaliças usualmente consumidas. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.6, n.3,p.639-644, 2006.
  • RODRIGUEZ-AMAYA, D. B. Natural food pigments and colorants. Current Opinion in Food Science, v. 7, p. 20–26, 2016.
  • SARDELLA, L.Z.S. Produção, caracterização e aplicação de extrato de beterraba microencapsulado em matrizes de maltodextrina e amido modificado. Tese (Doutorado em Enegenharia de Alimentos) - Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista ―Júlio de Mesquita Filho‖, São José do Rio Preto, 2016.
  • SERVAT, L. et al. Microencapsulação: uma Alternativa Promissora para a Preservação de Produtos Naturais. Revista Fitos, v. 5, n. 2, p. 52–57, 2010.
  • SHIOZER, A. L.; BARATA, L. E. S. Estabilidade de Corantes e Pigmentos de Origem Vegetal. Revista Fitos, v. 3, p. 6–24, 2007.