Óleo Essencial de Cabreúva - ANVISA

Produto novo

Óleos essenciais são princípios ativos naturais provenientes de plantas naturais e aromáticas. Características principais dos Óleos Essenciais: são voláteis, não contém ácidos graxos, auto conservantes, não emolientes, baixa espalhabilidade, solúveis em álcool, aroma da planta, não umectante e não hidratante.

Informações adicionais:

  • A Engenharia das Essências não se responsabiliza pela aplicação inadequada do produto, a manipulação do produto é de inteira responsabilidade do manipulador. A superdosagem pode causar dermatites e intoxicação. 
  • ANVISA número de notificação : 25351.063769/2022-01
  • Validade : 06/2025

Mais detalhes

98 Itens

R$ 34,80

  • 5 ml

Mais informações

Óleo Essencial de Cabreúva

  • Validade : 06/2025
  • ANVISA número de notificação:  25351.063769/2022-0
  • Modo de usar: em massagens diluído em óleo vegetal, banhos e aromatização. Não usar puro sobre a pele.
  • Mantenha o produto fora do alcance de crianças e ao abrigo da luz e calor.  
  • Em caso de irritação , retire imediatamente o produto com água corrente , suspenda o uso e procure orientação de um profissional da saúde.

INCI Name: Myrocarpus frondosus wood oil

Origem: Brasil

Obtenção: destilação a vapor

Nome botânico: Myrocarpus frondosus

Família botânica: Fabaceae

Composição bioquímica: Álcool sesquiterpênico (Nerolidol) 

Descrição olfativa: aroma doce, amadeirado, muito delicado e ligeiramente floral.

Óleo essencial 100% puro. Embalagem vidro âmbar.

A Cabreúva, também conhecida como cabriúva, cabriúva-parda, cabrué e cabureíba, é uma árvore tropical que atinge até 30 metros de altura, encontrada nas regiões Sul, Nordeste e Sudeste do Brasil.

A planta é frequentemente destilada a vapor para extração do óleo essencial. Por ser aromática, a Cabreúva é muito utilizada em perfumaria. Suas cascas, folhas e frutos têm usos medicinais variados.

O óleo de Cabreúva possui uma grande quantidade de nerolidol, proporcionando uma ação cicatrizante e anti-inflamatória podendo ser utilizado para minimizar manchas e potencializar a revitalização tanto da pele quanto dos cabelos. Auxilia no tratamento de lesões superficiais como dermatites, psoríase e escaras.

Para ser utilizado na massagem é recomendada a diluição de 3% do óleo essencial em um óleo carreador “óleo vegetal” de sua preferência.

Os óleos essenciais contêm propriedades curativas, regeneradoras, combate à dor, microrganismos, disfunções emocionais e físicas.

CUIDADOS E PRECAUÇÕES:

  • Uso externo.
  • Não usar puro sobre a pele. Usar sempre diluído (como em óleo vegetal ou em bases cosméticas neutras).
  • Se ocorrer irritação, suspenda o uso.
  • Usar sempre em baixa dosagem.
  • NÃO USAR: em grávidas. Desaconselhável o uso nos três primeiros meses de gestação.
  • Manter fora do alcance de crianças, ao abrigo da luz, calor e umidade.

 Referências Bibliográficas

  • CARDOSO, D. B. O. S. Taxonomia da tribo Sophoreae s.l. (Leguminosae, Papilionoideae) na Bahia, Brasil. Mestrado. Feira de Santana, BA: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2008.
  • CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE, RIO GRANDE DO SUL. Decreto estadual CONSEMA n. 42.099 de 31 de dezembro de 2002. Declara as espécies da flora nativa ameaçadas de extinção no estado do Rio Grande do Sul e da outras providências, Palácio Piratini, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 31 dez. 2002, 2002.
  • GUEDES-BRUNI, R. R.; PESSOA, S. V. A. Florística e fitossociologia do componente arbustivo-arbóreo de um trecho preservado de Floresta Montana na Reserva Ecológica de Macaé de Cima. In: LIMA, H.C.; GUEDES-BRUNI, R.R. Serra de Macaé de Cima: Diversidade Florística e Conservação em Mata Atlântica. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, p.127-146, 1997.
  • SARTORI, A.L.B. Myrocarpus in Lista de Espécies da Flora do Brasil, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/FB083493>.
  • SARTORI, A.L.B.; TOZZI, A.M.D.A. Revisão taxonômica de Myrocarpus Allemão (Leguminosae, Papilionoideae, Sophoreae). Acta bot. bras., v. 18, n. 2, p. 521-535, 2004.
  • STEHMANN, J. R.; FORZZA, R. C.; SALINO, A.; SOBRAL, M. COSTA, D. P. KAMINO, L. H. Y.STEHMANN, J. R.; FORZZA, R. C.; SALINO, A.; SOBRAL, M. COSTA, D. P. KAMINO, L. H. Y. Plantas da floresta atlântica. Rio de Janeiro, RJ: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 516 p.